quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Copom reduz Selic para 12,75% e sinaliza ciclo curto de cortes

Prezados,

O COPOM foi tomado por um conjunto de notícias tão virulentas, que não se sentiu constrangido em ser um pouco mais agressivo do que, por exemplo, eu previa.

Com isso, decidiu ontem reduzir a taxa Selic em 1 ponto percentual, alterando o juro básico de 13,75% para 12,75% ao ano. A decisão não foi unânime - cinco membros votaram pelo corte agressivo, mas três insistiram na redução de 0,75 ponto.

Assim como o comitê, o mercado estava dividido entre os dois cortes, mas as expectativas por uma reação agressiva do BC foram reforçadas com a divulgação dos últimos índices de atividade econômica, como a redução de emprego formal e produção industrial, compilados respectivamente do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI). Acendeu-se a luz vermelha entre economistas e analistas de investimento.

Entretanto... Contudo.. Todavia....
Ao meu ver, o que permitiu ao BC trocar um ajuste longo e mais suave por um ciclo que parece ser curto e agressivo de flexibilização de juro é a estimativa de que é possível manter a inflação dentro da meta, já que a desaceleração econômica e a queda no preço das commodities compensam a pressão cambial sobre os preços domésticos. O relatório Focus desta semana projetou um IPCA de 4,8% em 2009.

DE QUALQUER MODO...
O consenso é que, do ponto de vista prático, o corte traz pouca mudança, assim como traria a redução de 0,75 ponto.

O fato de o BC manter a taxa na reunião anterior foi equivalente à uma alteração para cima, já que demais países aceleraram o corte de juros com o acirramento da crise econômica. O último corte brasileiro foi em setembro de 2007 e, para que o País deixasse a liderança de maior taxa de juros reais, descontada a inflação projetada para os próximos 12 meses, seria necessário um corte de 3 pontos de uma só vez. O corte, impensável para o conservador BC, deixaria o Brasil atrás da Hungria.

Com o corte de ontem e a inflação projetada, o juro real brasileiro fica em 7,6% ao ano. A última vez em que o Copom cortou 1 ponto nominal foi em dezembro de 2003.

Um comentário:

Daniel Castro disse...

Olá inclui o seu site na minha relação de links: http://www.horusstrategy.com.br/links/

Abs.,
Daniel